Brasileiro que quer mais livros que armas não lê nem as notícias que comenta, dizem especialistas

175

Jair Bolsonaro assinou na semana passada um decreto que flexibiliza a posse de armas de fogo pro cidadão comum, respeitando a decisão popular sobre o estatuto do desarmamento.

A assinatura do decreto gerou polêmica e a esquerda se posicionou a favor dos livros, com o argumento de que as pessoas precisam de mais livros e menos armas, não faltaram memes e campanhas contra a medida do presidente.

Diante da repercussão da medida do presidente, o Otarionista contratou o Professor Doutor Ricardo Almeida da USP para uma rápida análise dos fatos e foi apurado que 92% dos esquerdistas que preferem livros ao invés de armas, não leem nem as notícias que comentam em páginas de grandes portais, e talvez, por esse motivo tenham uma visão caótica sobre a posse de armas de fogo.

A fim de ajudar os esquerdistas histéricos, nossa equipe preparou uma reportagem especial explicando porte, posse e as implicações do decreto presidencial, porém, esquerdista nenhum vai ler.